sábado, 14 de dezembro de 2013

“Era meu anjo”, diz mãe de menino de nove anos morto em Macaíba

Mãe inconsolada durante velório do filho (Foto: Saulo de Castro)
“Era o meu anjo”. Disse a dona de casa Clara Maria dos Santos, mãe de Cleiton Osório Mendes, morto na noite dessa quinta-feira (12), após ser agarrado por um homem que era perseguido por uma dupla em uma moto. O crime chocou a população de Macaíba, na Grande Natal. Familiares, amigos e curiosos lotaram o centro de velório no centro da cidade para dar o último adeus ao menino de apenas 9 anos.

Inconsolável a mãe do garoto mal conseguia ficar em pé. “Meu menino, por que fizeram isso com você?”, questionava ela, em prantos. Dona Clara Maria e Cleiton voltavam de uma padaria, próximo de casa, quando o garoto foi covardemente usado como escuto por um homem que era perseguido e acabou sendo atingido por três tiros. “É uma dor inexplicável”, repetia ela.

O pai do menino, Kleber Osório Mendes, disse que a lembrança mais marcante que ele vai carregar é a de um filho bom, amoroso, meigo e brincalhão. “Era um menino muito doce. Se juntar todo o doce do mundo, ainda assim não vai chegar nem perto da doçura do meu filho”, disse emocionado.

Revoltado, um dos tios de Cleiton, identificado como Francisco de Assis dos Santos, desabafou e disse que a população de Macaíba está entregue a própria sorte. “É um absurdo uma coisa dessas. Um menino inocente, um menino de ouro, ter a vida tirada assim de maneira tão banal”, desabafou.

Entenda o crime:

O fato aconteceu na noite da quinta-feira (12), quando a mãe e o garoto voltavam para casa na Rua Valdir Azevedo, no bairro Campo de Santa Cruz.
O menino se deparou o homem sendo perseguido e foi agarrado por ele. Nesse momento, Cleiton foi atingido por três tiros e morreu no local com um pacote de açúcar e um saco com pães nas mãos. O suspeito foi atingido na axila sendo levado para o hospital Deoclécio Marques, em Parnamirim, para receber os primeiros socorros.

De acordo com a PM, os moradores da região ainda tentaram linchar o suspeito antes dele ser socorrido. Os pais da criança passaram mal ao saber da notícia e ir ao local onde o filho estava morto.

Informações: Portal no Ar
type='text/javascript'/>