segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

LabSis descarta possibilidade de tremor de terra na Chapada do Apodi


A população apodiense ficou amedrontada após o chão tremer por três vezes na última quinta-feira (28 de novembro). Os abalos foram registrados na comunidade de Vila Nova, situada na região da chapada.

De acordo com depoimentos de populares, foram sentidos três tremores por volta das 09:00 e 11:00 horas da manhã, e também ás 15:30 da tarde. Sendo este último, o mais forte de todos.

O Portal SOS Notícias do RN foi até a comunidade verificar possíveis estragos provocados pelos abalos. Em uma das residências, estava em evidência a existência do tremor, visto que, enormes rachaduras estavam a cortar as paredes ao meio.
Adriano Rocha, morador local, relatou que nunca tinha visto nada igual. O pavor da família foi tanto que sua filha, uma criança de apenas quatro anos, chegou a defecar na roupa. “Fiquei muito assustado, parecia que tinha um trator passando por debaixo da casa”, disse ele.

Apesar dos grandes abalos relatados pelos moradores, apenas duas residências da comunidade puderam sentir os tremores. “Eu estava na casa aqui em frente e não senti nenhum terremoto”, relatou a esposa de Adriano, Vivy Paiva.

Diante do mistério, a equipe de reportagem do portal contatou o Laboratório de Sismologia da UFRN (LabSis), a fim de revelar as causas dos tremores. O geofísico Eduardo Alexandre relatou que nenhum abalo sísmico foi registrado naquela região. “Checamos os dados das nossas estações instaladas em Pau dos Ferros, Paraú e Riachuelo, e as mesmas não detectaram nenhum evento na data e hora informada”, explanou Alexandre.
Segundo informações dos próprios moradores da chapada do Apodi, os abalos foram causados por explosões feitas pela EIT Engenharia, empresa responsável pelas obras do Perímetro Irrigado.

As detonações aconteceram na comunidade de Rio Novo, lado oposto da cidade de Apodi em fronteira com o município de Felipe Guerra. O motivo seria uma pedreira que estava impedindo a continuidade das obras.

Ainda segundo Adriano, as explosões foram avisadas através de emissoras de rádio, mas o alerta não chegou aos moradores de Vila Nova devido a longa distância.
O SOS Notícias do RN tentou contato com a empresa para saber se a mesma irá arcar com os danos provocados pelas detonações nas residências, mas o diálogo não foi bem sucedido.

Josemário Alves - Redação SOS Notícias do RN
Fotos: Samuel Williams
type='text/javascript'/>