terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Moradores do RN são obrigados a gastar dinheiro do Bolsa Família em água potável


Com a dura e intensa estiagem que atinge o Rio Grande do Norte há cerca de um ano, moradores de diversos municípios do estado são obrigados a gastarem boa parte do dinheiro de programas sociais (como o bolsa o família) em água consumível.

Em cidades como: Ipueira, Carnaúba dos Dantas, Equador, São José do Seridó, Antônio Martins, Água Nova, João Dias, Pilões e São Francisco do Oeste, é perceptível a dura luta enfrentada pelos agricultores.  Além da morte de animais e destruição de lavouras, os agricultores ainda sucumbem aos efeitos provocados pela estiagem com a falta do bem mais precioso, a água.

A governadora Rosalba Ciarlini decretou "situação de emergência por seca" em 150 dos 167 municípios do estado. Em novembro, a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) confirmou que nove municípios continuam em colapso no abastecimento.

O programa “Fantástico” da rede Globo mostrou no último domingo (01/11) como funcionam os programas de combate a seca no nordeste. No Brasil, o principal responsável pela distribuição é o Exército, que paga até R$ 15 mil mensais para cada um dos seis mil pipeiros responsáveis por levar água a 835 cidades, em nove estados, para quase quatro milhões de pessoas. Só em 2013, o governo já gastou mais de meio bilhão de reais no programa.

Nas cidades referidas, populares relataram o sofrimento devido à seca. Brigas e ameaças na disputa por um lugar no chafariz público e caixas d’águas comunitárias são vistas com assiduidade, há casos que terminam na delegacia, inclusive, há relatos de pessoas que abandonaram suas respectivas profissões no intuito de vender barris e galões aos moradores necessitados.

Outro fator notório é a reclamação por parte dos usuários da água fornecida por chafarizes e caixas d’águas comunitários que afirmam que o líquido proporcionado é impróprio para o consumo humano. "Essa água verde que eu pego é fedida e não presta pra beber. Mesmo assim, é com ela que eu cozinho, dou banho nos meninos e preparo a nossa comida", descreveu uma moradora.


Segundo o coronel Marcelo Pellense, coordenador do programa no Rio Grande do Norte, em 113 municípios do estado caminhões foram contratados para levar água aos desassistidos pela seca. "Toda a água que o Exército fornece é potável, vem da própria Caern e é apropriada para o consumo. Nas cidades em que a Caern não tem de onde tirar água, são os municípios que indicam os mananciais. A cada 30 dias, as prefeituras precisam nos enviar relatórios de análise da qualidade da água", ressaltou o oficial.

Samuel Williams - Redação do Portal SOS  Notícias do RN
Com informações e fotos: G1
type='text/javascript'/>