quinta-feira, 17 de julho de 2014

Mossoró registra duas mortes provocadas por H1N1 somente em 2014

Por Gazeta do Oeste

No primeiro semestre deste ano foram registradas duas mortes por Influenza A (H1N1) em Mossoró. De acordo com o Departamento de Vigilância à Saúde, uma terceira vítima foi diagnosticada com a doença, mas conseguiu se recuperar.

Uma das vítimas que foi a óbito morava na zona urbana, já a outra na zona rural da cidade.

A médica veterinária da Vigilância à Saúde, Alany Medeiros, ressalta que mesmo com a campanha de vacinação contra a gripe realizada em todo o país, de abril a maio deste ano, muitas pessoas não atentaram para a importância da vacina, que também protege do H1N1. “O Ministério da Saúde divulgou que os municípios que ainda tiverem vacina devem continuar vacinando, principalmente o público da campanha”, fala.

Como a campanha contra a gripe já foi encerrada oficialmente, nem todas as Unidades Básicas de Saúde ainda dispõem de doses. Talvez o usuário tenha alguma dificuldade em encontrá-la. Mas quem está na faixa prioritária e ainda não tomou vacina, deve procurar a unidade de saúde mais próxima.

Compõem o grupo preferencial, idosos com mais de 60 anos, trabalhadores da saúde, povos indígenas, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto), presos e funcionários do sistema prisional. Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis (doenças cardíacas, pulmonares, obesos, transplantados renais, hipertensos, diabéticos) ou com outras condições clínicas especiais.

O Ministério da Saúde divulgou este mês que a meta de 80% estabelecida para a campanha foi ultrapassada no país. Mais de 41,7 milhões de pessoas já se vacinaram contra a influenza neste ano, o que representa uma cobertura de 84%. A vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial da Saúde: A/H1N1; A/H3N2 e influenza B.

Segundo a Vigilância à Saúde, Mossoró conseguiu cumprir 70% da meta até o momento. “Quando passa o período de campanha, o povo esquece. Só se preocupa quando acontecem casos”, ressalta Alany Medeiros.

A Influenza é uma doença respiratória aguda (gripe), transmitida de pessoa a pessoa principalmente por meio da fala, tosse ou espirro e através do contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas. Para prevenção algumas medidas devem ser observadas como lavar as mãos com água e sabão, especialmente após tossir ou espirrar. Ao tossir ou espirrar, cobrir a boca com lenço descartável. Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal. Lavar as mãos frequentemente e não levar as mãos sujas aos olhos, nariz e boca.

Também no início deste mês, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (SESAP) informou que no período de janeiro a junho de 2014, foram notificados 63 casos de ocorrências de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Rio Grande do Norte. Segundo dados do último Boletim Epidemiológico da Influenza divulgado pela Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Sesap, no período de 2009 a 2014 foram notificados 2.602 ocorrências de SRAG no Estado, destes, houve a confirmação de 754 casos de Influenza H1N1 com 32 óbitos.
type='text/javascript'/>