quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Após acidente fatal com aluna, UERN busca regulamentação do trânsito interno

Organização
Cones espalhados em pontos estratégicos do Campus Central da UERN delimitam a passagem de veículos. A estrutura móvel, instalada há uma semana, serve de teste para a implantação de uma rotatória e de algumas barreiras que irão disciplinar o tráfego no local.

A medida, que já estava prevista no Plano Diretor da UERN, foi priorizada em atendimento ao pedido da classe estudantil, após o triste acidente ocorrido em setembro deste ano que tirou a vida da estudante Brenna Sonária.

O assessor de Obras da UERN, engenheiro Osmídio Dantas, explica que neste primeiro momento a equipe está orientando a comunidade acadêmica e analisando a adaptação às mudanças no trânsito. No segundo momento, haverá um trabalho de conscientização, que contará com o apoio dos estudantes, com envolvimento do Diretório Central dos Estudantes (DCE).

A estudante Jéssica Marina, vice-presidente do DCE e integrante do movimento de alunos do curso de Pedagogia, fala sobre a iniciativa: “A gente sabe que este é só o início e ainda faltam algumas mudanças, principalmente em benefício dos pedestres, mas é importante que essas ações ocorram”, afirmou Jéssica Marina.

O vice-reitor Aldo Gondim acompanha de perto todo o planejamento em torno da reorganização do trânsito. “A gente analisa essa proposta de forma positiva. Nós estamos acompanhado o movimento em horários de pico, principalmente no período da noite... as pessoas estão entendendo e respeitando”, afirmou Aldo Gondim, ressaltando que o Plano Diretor prevê estacionamento de ônibus na área externa do Campus.

Sobre as mudanças em vigor, Osmídio Dantas explica que no Centro de Convivência, para facilitar a visibilidade de pedestres e condutores, as árvores foram podadas. Também estão previstas melhorias na iluminação e na rede elétrica. Para o início de 2015 estão alocados recursos de mais de R$ 1 milhão de emenda parlamentar para obras de acessibilidade, pavimentação, construção de calçadas, rampas e sinalização horizontal. “Para a sinalização vertical estamos buscando parcerias com empresas como a Petrobras”, explicou Osmídio.
type='text/javascript'/>