sexta-feira, 27 de maio de 2016

“Ele fez uma covardia”, declara agricultora de 64 anos sobre prefeito de Apodi

(Foto: Josemário Alves)
 
“Ele veio aqui nas três campanhas que concorreu e prometeu me ajudar. Eu confiava nele, mas depois que se elegeu, nunca mais veio aqui”.

O desabafo é da agricultora aposentada Euzimar Nogueira, de 64 anos. Moradora do sítio Caboclo II, na zona rural de Apodi. Ela se diz desacreditada com o atual prefeito, Flaviano Monteiro, pelas promessas não cumpridas.

Até o início deste ano, dona ‘Toquinha’, como é mais conhecida, morou em uma casinha de um cômodo só feita de barro, a famosa casa de taipa.

Com a promessa de que iria erradicar esse tipo de moradia e construir casas de tijolos, Flaviano conquistou a aposentada e toda a sua família até se eleger.

“Na campanha de deputado, ele veio aqui e trouxe um repórter. Fez fotos minhas e da minha casinha. Disse que ia ser prioridade”, contou ela visivelmente decepcionada. “Ele fez uma covardia”, acrescentou.

Com a ajuda do genro e de vizinhos, dona ‘Toquinha’ derrubou a casa de taipa onde morou por 17 anos e construiu uma de tijolo com três cômodos. A casa ainda não tem reboco e está sendo concluída poupo a pouco com seu aposento e esforço.

Ela guarda uma fotografia feita da antiga casa para mostrar ao prefeito no dia em que ele resolver visitá-la novamente.
 (Foto: Josemário Alves)
 
“Vou mostrar a ele e dizer: você prometeu e não cumpriu. Mas com a fé de Jesus Cristo eu consegui sozinha”, concluiu dona Toquinha, emocionada.

Durante a entrevista, a aposentada citou também promessas feitas por outros ex-prefeitos, como Dr. Pinheiro. “Chegaram a prometer, mas nunca fizeram nada. Só para receber os votos”, destacou.

Na campanha política em 2012, a equipe do então candidato a prefeito Flaviano Monteiro anunciou nos meios de comunicação que o município possuía cerca de 200 casas de taipa e que, se fosse eleito, erradicá-las seria uma prioridade do governo. 
 (Reprodução)
 
Através do Facebook, o Blog do Josemário.com entrou em contato com a secretária de Assistência Social, Aloma Tereza. Ela frisou que o município aguarda as casas populares que serão construídas pelo Governo do Estado.

“A maioria delas está concentrada na zona rural. Aguardamos as casas populares que serão construídas pelo Governo do Estado. A nossa prioridade é que estas casas sejam destinadas às famílias em condições de extrema vulnerabilidade, a exemplo das famílias que residem em casas de taipa”, escreveu.

Questionada sobre quantas casas de taipa existem em Apodi, Aloma informou que possuía este levantamento, mas que só poderia responder após retornasse de Brasília, onde estava cumprindo agenda administrativa.

O blog tentou contato com outras pessoas ligadas à gestão, mas nenhuma delas pôde ajudar.
 (Foto: Filho Silva)
type='text/javascript'/>