domingo, 22 de janeiro de 2017

Apodi terá R$ 7,5 milhões para saneamento básico do Governo Federal, revela Alan Silveira

(Foto: Josemário Alves)
Por Cézar Alves, do Mossoró Hoje 

A cidade de Apodi enfrenta, há décadas, um problema ambiental grave: poluição da Lagoa. O principal poluidor é a população que mora na área urbana. Isto porque a cidade não é saneada. Este é um dos grandes desafios que o atual gestor terá que encarar de frente.

O MOSSORÓ HOJE conversou com o prefeito Alan Jefferson da Silveira Pinto, do PMDB. Ele reconhece e encara o problema, assim como muitos outros, com naturalidade. “Tem que ter força política e principalmente planejamento e capacidade de gerir”, destaca.
(Foto: Josemário Alves)
Há quinze anos já existe uma preocupação permanente da população com a Lagoa de Apodi, que deu origem a cidade. As construções residências foram sendo realizadas nas áreas mais altas da cidade. Ao longo das décadas, todo o esgoto da cidade é jogado na lagoa.

Com a presidência do professor Flaviano Monteiro, foi criado um Fórum Permanente para alertar as autoridades da importância de preservação do lago. A ex-prefeito Maria Gorete Pinto (mãe do atual prefeito) diligenciou em Brasília e conseguiu parte dos recursos em 2011.

Porém ela perdeu o comando do município em 2012, exatamente para o professor Flaviano Monteiro, que não conseguiu avançar com aplicação dos recursos em saneamento básico e reduzir a poluição da lagoa, fonte de renda de muitos dos moradores do município.
(Foto: Josemário Alves)
Durante a campanha de 2016, o atual prefeito Alan Silveira colocou no seu projeto de gestão, diligenciar em Brasília, e, com apoio dos líderes do seu partido, o PMDB, liberar os recursos para iniciar as obras de saneamento básico de Apodi.

“Consegui liberar R$ 7,5 milhões para as obras de saneamento. A poluição da lagoa ao longo dos anos é sim uma grande preocupação de nossa gestão, assim como na gestão de Gorete”, destaca o prefeito Alan Silveira, assegurando que as obras começam ainda em 2017.

“O povo quer o básico funcionando. Este é o nosso primeiro objetivo. O cidadão quer o posto de saúde com médico, quer a farmácia com medicamento, quer a escola com merenda e boa estrutura para funcionar para seus filhos, é o que vamos fazer com diálogo permanente”, afirma.
(Foto: Josemário Alves)
“Preservar a Lagoa, limpar e não poluir é básico. A lagoa é origem de nossa existência e também e nossa sobrevivência. Muitos sobrevivem em função da lagoa”, acrescenta o prefeito, lembrando que seu primeiro ato foi fazer uma limpeza nas margens do lago.

Sobre a liberação dos recursos, Alan Jefferson da Silveira Pinto explica em vídeo que o trabalho burocrático já começou.

“Estamos preparando a papelada para enviar para a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), que vai agilizar a liberação dos recursos, conforme a obra for sendo realizada na cidade de Apodi”, explica o prefeito Alan Jefferson.

O gestor e seus auxiliares observam a Lagoa de Apodi como um cartão postal, como uma fonte de renda para muitos pescadores e comerciantes dos arredores e, principalmente, fazendo a despoluição e não poluindo, como mecanismo de redução de doenças.

Lagoa seca
A Lagoa do Apodi está praticamente seca, em função dos cinco anos de poucas chuvas na região Nordeste. Os agricultores e pescadores dos arredores da lagoa aguardam um bom inverno neste ano de 2017 e o restabelecimento hídrico do lago.
(Foto: Josemário Alves / Arquivo 2013)
type='text/javascript'/>